La La Land: A nostalgia conquista Hollywood mais uma vez

La La Land: A nostalgia conquista Hollywood mais uma vez

Vencedor de sete estatuetas do Globo de Ouro, o musical é um dos favoritos ao Oscar 2017

 La La Land – Cantando Estações, dirigido por Damien Chazelle, é um sucesso de bilheteria nos EUA fazendo algo que tem sido muito comum em Hollywood por pelo menos uma década: olhando para trás e repetindo o estilo de filmes já consagrados. Porém, diferentemente dos constantes remakes e produções que repetem fórmulas de antigamente e apagam a criatividade dos tempos atuais, La La Land inova por fazer com que o passado sirva como uma releitura moderna. Assim, o filme dá um novo ângulo para apreciar o presente ao mesmo tempo em que traz a alegria de um musical clássico.

 

             O filme começa com uma das cenas contemporâneas mais habituais de uma cidade grande: o engarrafamento de carros que parece não ter fim. É neste cenário que os personagens principais, Sebastian (Ryan Gosling) e Mia (Emma Stone), se esbarram pela primeira vez. O estresse do trânsito serve como pano de fundo para uma incrível dança e coreografia que traz leveza à cena difícil que é comum na realidade.

Cenas de estresse familiares não são as únicas coisas modernas que dão a La La Land um caráter único. Diferentemente de musicais como Cantando na Chuva, que inspirou fortemente o filme, Iphones e outros objetos da vida cotidiana influenciam o romance e aparecem em momentos críticos da história. Mais interessante ainda é que com tudo isso, os lugares de filmagem escolhidos pelo diretor, assim como a bela fotografia da produção e musica cativante, fazem com que o espectador seja transportado para a era de ouro dos musicais. Assim, a inocência de um clássico dá a estas cenas e objetos do dia a dia um novo sentido. Deste modo, ao invés de fazer quem assiste escapar de uma realidade maçante para uma mais colorida de um musical, La La Land mostra que a vida ainda pode ser divertida.

 

Como se não bastasse celebrar a alegria de viver no presente, La La Land – Cantando Estações também moderniza o musical clássico dando ao espectador um final surpreendente, que ficará eternizado. Para aqueles que moram nas grandes cidades, enfrentar o tráfego depois de assistir o filme ficará mais fácil, mesmo que momentaneamente.

* Texto escrito por: Daniel Bydlowski é cineasta brasileiro com Master in fine Arts pela University of Southern of California e doutorando na University of California, em Santa Barbara, nos Estados Unidos. É membro do Directors Guild of America. Trabalhou ao lado de grandes nomes da indústria cinematográfica como Mark Jonathan Harris e Marsha Kinder em projetos com temas sociais importantes. Atualmente, está produzindo Nano Éden, primeiro longa em realidade virtual em 3D. 

 

Escrito por Lia Pinheiro em 16.01.17 Artigos
Os comentários estão fechados.